© 2013 por Centro de Moda Curitiba. 

Siga-nos:

  • facebook-square
  • Twitter Square
  • Pinterest Black Square
  • Instagram Black Square
  • Blogger Black Square

O propósito de não consumir por 1 ano!


Olá pessoal, tudo bem?

Hoje vou compartilhar um pouquinho com vocês sobre a decisão que eu tomei ano passado de não consumir nadica de nada durante o ano todo! Sim, isso mesmo! A excessão era consumir somente algo que fosse de extrema necessidade. Todas as coisas que eu só gostasse e quisesse comprar, essas não poderia, essa era a regra.

Mas por que eu tomei essa decisão? O que me fez refletir sobre isso? Como foi todo o processo e o que eu aprendi com isso? Esse é o papo de hoje e espero muito que você seja inspirada e incentivada a tomar atitudes que a princípio, podem parecer muito difíceis ou até impossíveis, mas irão gerar mudança e transformação em você. É como uma decisão de abrir mão de tomar refrigerante, comer doce por uma questão de saúde ou peso, a decisão de parar de fumar ou de consumir bebidas alcólicas.... são decisões, posicionamentos difíceis mas que geram transformação pra vida toda dentro da gente. Tem gente que acha que não é comparável essas comparações que eu fiz, mas hoje muitas pessoas estão destruindo suas vidas por causa do consumismo. Se endividam, vivem uma futilidade extrema para parecer, ostentar uma imagem, uma vida que não é real.

Por que tomei essa decisão?

Eu terminei o ano de 2016 muito grata por tudo o que Deus estava fazendo na minha vida e na minha família. Grata por tudo o que eu tinha, por ser tão abençoada em tantos aspectos. E eu olhei pro meu guarda-roupa um dia e pensei: Nossa, quantas roupas eu tenho... (Não dá pra escrever tudo aqui mas no vídeo eu conto mais sobre essa reflexão! Eu já vivi um tempo onde tinha muitos desejos que não podia realizar pois tinha uma condição mais difícil.) E fiquei me lembrando o quanto os tempos tinham mudado e quanto eu era abençoada com todas aquelas coisas e já me veio uma consciência de não precisar comprar nada. Mas até ai, nenhuma decisão tinha sido de fato tomada.

Meus pais fizeram uma viagem missionária para o Japão e lá aconteceu algo que minha mãe me contou que mexeu muito comigo. Muito resumidamente, uma pessoa muito simples, se doando pela família de muitas formas, e ela em um momento onde foi presenteada com um tênis, contou chorando a minha mãe que usava o tênis que os filhos não usavam mais, pois não tinham condições. Aquilo mexeu muito comigo, eu chorei muito e fiquei muito sensibilizada. Fiquei impressionada negativamente com a facilidade e naturalidade que descartamos nossas coisas, que não valorizamos, que retemos, que somos egoístas e individualistas. Pensei que tinhas tantas coisas dentro do meu guarda-roupa que não usava mais ou usava muito pouco e aquilo não fazia sentido diante de uma história daquelas. E ali foi o inicio de um rebuliço dentro de mim.

"Vou ficar um ano sem consumir para olhar para dentro do meu guarda-roupa e tentar dar uso para todas as peças que tenho" foi o que eu decidi. "O que não usar até o final do ano, vai embora!"

Como foi o processo?

Fazer isso não foi fácil, eu confesso. No início eu me condicionei a criar looks novos, a me alegrar e me divertir com esse propósito, e eu fiz isso. Descobri novas coordenações no meu guarda-roupa que nunca tinha feito antes. Me condicionei a não ir ao shopping sem motivo, a não entrar nas lojas e ficar só olhando... justamente para não ficar me tentando e pensando em consumir. E incrivelmente até o meu tempo foi beneficiado. Condicionei a minha mente a não ficar considerando nem pensando em consumir.

Mas não foi tudo super simples e fácil.... teve dias que eu estava sem inspiração, que não conseguia usar certas peças porque faltava uma para coordenar, que estava enjoada das mesmas roupas... mas tudo isso foi a parte que gerou crescimento e transformação. A gente não faz algo até ficar muito difícil e ai desiste! A gente aprende com as partes difíceis e continua firme no propósito porque coisas maiores ainda serão geradas dentro da gente. E foi assim! No final do ano eu estava tão orgulhosa de mim mesma! Estava realmente com outra mentalidade, com uma consciência de que ter menos é de fato melhor pois a gente usa tudo o que tem. Qual é o beneficio de ter um monte de roupa e só usar 30% delas? (Essa é uma pesquisa comprovada!) eu prefiro ter menos e usar 100% do meu guarda-roupa! Meu dinheiro vale muito e com isso o meu critério de consumo, que já era forte, ficou a ainda mais restrito.

O que eu aprendi com isso?

Aprendi a desapegar de algumas peças que estavam no meu guarda-roupa à muitos anos e percebi que elas se tornaram muito difíceis de coordenar... que estavam paradas ali só preenchendo espaço físico. Aprendi a consumir somente o que eu amo! Com esse período sem consumir eu identifiquei o que estava faltando mesmo, o que eu não usei mesmo, o que não fazia mais parte do meu estilo e aquilo que precisava ser renovado.

Para coisas novas e boas entrarem e acontecerem, a gente tem que se livrar de coisas velhas que não nos fazem bem ou diferença alguma. No final da contas, eu doei mais de uma mala cheia!!! Foram casacos, vestido, muitos sapatos, bolsa, calças, blusas, cachecóis.... muitas coisas!

E coincidentemente fiz uma viagem com meu esposo pra NYC e lá pude consumir somente o que eu realmente amei e o que estava fazendo falta. E conto mais sobe essa viagem em um outro post! Pois até a forma de consumir mudou em mim.

A gente vive em um mundo cheio de injustiças, de diferenças e indiferenças, onde as pessoas estão se tornando cada vez mais individualistas e egoístas. Vale a reflexão de consumir menos, de distribuir mais, de valorizar mais o dinheiro que ganhamos com tanto suor, de olhar a nossa volta e se preocupar com coisas bem mais importantes do que o vestir, o parecer e o aparentar!

Não estou dizendo que todos deveriam fazer esse propósito, foi uma experiência minha e particular. Mas te encorajo sim a refletir, a parar um pouco e rever seus hábitos e conceitos. Roupa é camada externa que ajuda a revelar a camada interna, mas muito mais importante que a roupa que veste, é a pessoa que veste. Se permita ser uma pessoa ensinável com os desafios da vida.

Espero que tenha terminado esse post um pouquinho diferente de como começou.

bjinhos no coração,

Lilia Damiani


0 visualização